sábado, 3 de abril de 2010

Intolerância Religiosa

A atitude dos jogadores dos Santos que por motivos religiosos se recusaram a visitar um lar espírita que cuida de crianças com paralisia cerebral revela uma realidade preocupante, o preconceito com respeito à religião não é relegado a um passado obscuro ou a países intolerantes do Oriente Médio. O Brasil ainda tem mais que resquício desse pensamento retrograda, se o chute a imagem de Nossa Senhora Aparecida que o bispo Von Helder deu em 1995 deixou a sociedade embasbacada ninguém se escandaliza com a demonização de religiões africanas feita por programas religiosos principalmente da Rede Record, pertencente à Igreja Universal do Reino de Deus.

É curioso que um país com nomes que defendem o ecumenismo com tanta propriedade como Leonardo Boff tenhamos casos tão gritantes de intolerância. Robinho, Neymar, Ganso e Roberto Brum pelo jeito não frequentaram todas as aulas da escola dominical ou teriam conhecimento sobre a parábola do bom samaritano, aquela em que Jesus conta a história de um cara que resolve ajudar um pobre coitado que foi assaltado sem perguntar sua procedência e sem esperar nada de volta com isso, no final Jesus decreta que devemos "... amar ao próximo como a si mesmo...”. Será que para eles essas crianças não eram suas próximas por serem supostamente de outra religião.

O colunista Cosme Rimoli do site R7(que pertence a Universal, coincidência?) ainda tentou limpar a barra deles os colocando como mártires revolucionários que quebram uma tradição de hipocrisia, e se enrolou misturando alhos e bugalhos e colocando o goleiro Marcos do Palmeiras no meio do rolo no que foi ironizado pelo assessor de imprensa do time palestrino. Cosme escreveu a pérola rara:

"Como não perceber a alegria que um goleiro com o talento e o coração de Marcos pode levar a uma criança terminal? /Mas por que fazer desse encontro um show para a mídia? /Quem ganha com isso? /E em seguida, o milagre não acontece, e essa criança morre.”

No que o assessor respondeu no site oficial do Palmeiras:

"Bom, não quero aqui supor que você ache desnecessário esses encontros porque a criança não vai viver. Me nego a crer nisso."

Na ânsia em defender os jogadores, por motivos desconhecidos, mas não muito difíceis de imaginar quais são o jornalista não se importou em desmanchar sua credibilidade e saiu atacando assessores de imprensa de clubes de futebol.

Os jogadores se justificaram, alguns talvez até tenham se arrependido de coração, mas esse acontecimento emblemático fica como um aviso dos riscos a estamos submetidos com pessoas que seguem cegamente dogmas e princípios religiosos. Como diz o personagem Dean (Jensen Ackles) em um episódio do seriado Sobrenatural (Supernatural): Deus nos proteja daqueles que acham fazer o Seu trabalho aqui na Terra.

3 comentários:

Bruna Antunes disse...

Realmente é problemática a nossa noção de "respeito" e, mais ainda, a leitura "cristã" de certos cristãos! As religiões de influência africana sofrem todos os dias - desde uma simples opinião de senso comum no ponto de ônibus, até pessoas públicas q influenciam o comportamento de milhares de pessoas via mídia de massa - um desrespeito e violência desastrosos. A boçalidade desses atos fazem-nos repensar as falsas ideias de "democracia racial" e "pluralismo cultural". Essas sim são sinônimos de hipocrisia.

ndaesoj disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jose Ribamar disse...

Sidnei, sua abordagem foi exemplar. atitude desses jogadores demonstra a hipocrisia que ainda vivemos no Brasil.
"Um Brasil para todos" terá que ser mais que uma plataforma de governo, mas sim uma filosofia de convencimento e reeducação.